segunda-feira, 23 de setembro de 2013

WILHEM RICHARD WAGNER

*Professora de música e regente de coral, formada pelo Instituto de Tatuí

Em 2013 comemoramos vários aniversários importantes do mundo musical. Na semana passada falamos sobre o bicentenário de nascimento de Verdi e hoje, conversamos sobre o bicentenário do nascimento de Richard Wagner. 

Ele nasceu na cidade de Leipizig – Alemanha, no dia 22 de miao de 1813. Viveu em Dresden a maior parte de sua infância. Entre 1843 e 1849 foi o diretor do coro da capela real. Ali ele também estreou suas óperas “Rienzi”, “Der Fliegende Hollander” e “Tannhauser” e compôs parte da sua ópera “Lohengrin”. 

Richard Wagner – compositor alemão (1813-1883)

Vamos começar ouvindo a Die Walküre de Wagner - "Der Ring des Nibelungen" (O Anel do Nibelungo) – é um ciclo de quatro óperas épicas.   A maior, mais grandiosa, drama musical de suas composições operísticas. 


The Ride of the Valkyries from Wagner's Ring Cycle at the Met

Wagner foi, sem dúvida, um dos músicos mais influentes da história da música. Grandes compositores, escritores, artistas foram de alguma maneira influenciados por ele, tanto os que declaradamente o admiravam como os que o odiavam, como Claude Debussy. Até mesmo o grande rival de Wagner, Verdi, foi influenciado, podemos observar isso em sua obra, escrita após a morte de Wagner: Ópera Otello. 

A obra de Wagner não foi de pronto aceita. Ela trazia em sua sonoridade as nuances de sua determinação e ambição. Ambição constatada na construção, em vida, de um teatro para a apresentação de suas obras, tendo em vista que nenhum teatro comportava a montagem de suas operas.


A personalidade marcante de Wagner e sua ambição fazia-o ser amado e odiado. Nietzsche, que no início o endeusava, tornou-se seu inimigo ao descobrir que Wagner implorava favores ao rei da Baviera Ludwing II.  Wagner também era escritor - ele mesmo escreveu os libretos de todas as suas operas. 

É interessante conhecer sua obra em prosa a fim de conhecermos melhor a mente desse brilhante compositor. Ele escreve sobre diversos assuntos. Escreve sobre o vegetarianismo, a valorização da mulher, a maneira como a arte deve ser encarada, e até sobre judaísmo, aliás, escrever sobre esse assunto lhe valeu até hoje a proibição da execução de suas obras em Israel. Mesmo com essa proibição vale a pena lembrar que Wagner escolheu um maestro judeu para reger a estréia de sua ultima ópera: Parsifal (1882). Esse maestro era Hermann Levi. 

Há uma discussão em torno da obra e vida de Wagner com relação ao nazismo, já que seus descendentes e sua viúva eram declaradamente apoiadores do racismo. Sua mulher, Cosima, que era filha de outro importante compositor: Franz Liszt era declaradamente apoiadora de Hitler. Sua nora Winifried que se casou com o filho de Wagner para disfarçar seu homossexualismo, promoveu definitivamente a “nazificação” da obra de Wagner, levando inclusive papel para que Adolf Hitler escrevesse na prisão sua obra fundamental “Minha Luta” (Mein Kampf). 

É importante que consideremos a profunda beleza de sua obra a despeito do envolvimento de seus descendentes com o nazismo. Como já dissemos, ele era o autor dos próprios libretos de suas óperas e segundo Nietsche, as óperas de Wagner mostram o renascimento da tragédia grega em pleno século XIX.

Conversamos hoje de forma sucinta sobre esse brilhante compositor que faz aniversario nesse ano, mas deixo uma dica aos queridos leitores: vale a pena pesquisar sobre a vida e obra de Richard Wagner. Tenho certeza que conquistarão não só conhecimentos musicais, mas descobertas históricas relevantes, inclusive para entendermos melhor suas composições e a influência de sua obra em músicos, artistas, pensadores transformando o formato musical da musica erudita, especialmente a opera.

Termino nossa conversa de hoje compartilhando mais duas belíssimas composições de Wagner para coro: 

A primeira é da ópera “Tannhäuser” – Coro dos Peregrinos:


A segunda é da ópera “Lohengrin” – Marcha nupcial:


Até a próxima semana. Abraço. 

3 comentários:

  1. Que delícia começar o dia lendo algo tão gostoso de se ler, de se ouvir e aprendendo mais... Obrigada!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por você acompanhar as publicações do blog, Inês. Ajude indicando-o para seus contatos. Abraço.

    ResponderExcluir